• Jathyles_Miranda

Nome completo: Jathyles Miranda de Souza

Nome Artístico: Jathyles Miranda

Cidade de Nascimento: Recife – PE

Início das atividades: 1991

Atividades Realizadas: Iluminação

Imagens: Acervo pessoal

 

 

Não duvidem do poder do teatro. Ele não depende de sala, de palco, de nenhum outro meio para tocar o homem. Basta corações e mentes questionadoras e sensíveis. Foi assim com Jathyles Miranda, um dos mais conhecidos e respeitados iluminadores de Pernambuco. Jathyles teve seu primeiro contato com o mundo cênico no bairro da Bomba do Hemetério, através de um grupo que ensaiava na Escola Estadual Professor Mardônio de Andrade Lima Coelho. Tendo à frente Givanildo Amâncio, irmão do Maestro Forró da Orquestra Popular da Bomba do Hemetério, o grupo levava à comunidade oportunidades únicas de conhecer autores, histórias e temas que contribuíam para a formação de um senso artístico e crítico dos espectadores. Jathyles tinha 16 anos nessa época.

Ele juntou-se ao grupo e logo se interessou pela área técnica. “Por mais que eu gostasse de assistir, adorava a sensação de fazer parte da equipe, mas não encenando: o que eu gostava era de elaborar o conceito visual da história a partir da luz”, conta Jathyles. Como o dinheiro era escasso, Jathyles e seus companheiros construíam os equipamentos de maneira improvisada, tendo a sucata como matéria prima. E conforme acompanhou o grupo em diversas apresentações e eventos cênicos da cidade,  se enturmou com os iluminadores mais experientes.

 

jathyles_title2

Tanta persistência e curiosidade lhe rendeu um estágio no Teatro do Parque, entre 1990 e 1992. O momento não poderia ser mais oportuno: Naquele momento os teatros da UFPE, Santa Isabel e Guararapes passavam por um período de restauração, restando à charmosa sala do centro do Recife receber toda produção a produção nacional e internacional de dança, teatro, shows e musicais que passavam pela cidade.

Atualmente, Jathyles está junto dos sócios Roberto Riegert e Leonardo Carneiro, tocando a Casa da Luz Cênica, empresa de design de luz cênica que presta assessoria para instituições artísticas, festivais culturais e eventos corporativos. Os três coordenam, desenvolvem e executam projetos de iluminação cênica de portes variados.

 

Espetáculos:

De 1992 a 1999,Jathyles trabalhou como Lighting designer e operador de iluminação em diversas áreas artisticas:

 

TEATRO

Auto da Compadecida (dir. Marco Camarotti);
As Grávidas (dir. Izaltino caetano);
A Menina que Queria Dançar (dir. Vanise Souza) – prêmio de melhor iluminação no Festival Nacional de Teatro Cabo de Santo Agostinho;
A Formiga Fofoqueira (dir. Izaltino Caetano);
A Bela e a Fera (dir. Felipe Botelho);
Beckett in Wight (dir. Geovan Sabino) – prêmio de melhor iluminação
“Serra Talhada”; Estórias do Bumba (dir. Paulo André Viana);
A Farinhada (dir. Rener Guerra);
Ave Guriatã (dir. Max Almeida);
Mito ou Mentira? (dir. Carlos Sales);
Alheio (dir. Leidson Ferraz);
Revolução na America do Sul (dir. Manoel Constantino) – primeiro prêmio de melhor iluminação Janeiro de Grandes Espetáculos.
 
MUSICA

Tour “Guentando a Ôia” (Brasil / França) e tour “Carnaval na Obra” (Brasil / Europa) da banda Mundo Livre S.A.;
Tour “CSNZ” (Brasil / Portugal) e Tour “Acorda Povo” (Brasil) da banda Nação Zumbí;
Tour “Fragmentos” do músico Naná Vasconcelos;
Tour “Samba Sim!” de Fernanda Porto;
Tour mundial com a banda Cordel do Fogo Encantado.
 
DANÇA

Bê de Beatles – Cia dos Homens (dir. Ayrton Tenório);

Ilustração e Luzeiro (dir. Raimundo Branco); 7ª Bienalle de Dance (Lyon, FR).

 

VIDEO 

Center TV Radiofoto.

 

EVENTOS

Festival de Inverno de Garanhuns – praça Guadalahara; RecBeat Festival.

 

Fotos:

 Confira a galeria de trabalhos realizados por Jathyles Miranda. Fotos: Acervo pessoal:

 

Contato:

www.casadaluzcenica.com.br

 

 

Print Friendly